domingo, 18 de janeiro de 2009

Uma lição de vida

Esta tarde fomos ao grandioso Le Capitole assistir ao Madagáscar 2. Construído em 1928, Le Capitole é o cinema mais antigo de Lausanne. Tem 867 lugares e um balcão superior, que relembra o encanto de outros tempos.

Na bilheteira conhecemos a directora, uma pequena e simpática senhora de nome Lucienne Schnegg, que é verdadeiramente a alma deste lendário espaço. Com 80 anos de idade, La petite dame du Capitole, como é conhecida, é um exemplo de quem não desiste, de um espírito de coragem e energia inabaláveis.

Contratada em 1949 para secretária, desde então é cashier, manager e faz as limpezas, nada a faz parar! Recorda tempos aúreos após a guerra onde trabalharam 25 pessoas, ainda de uniforme (ainda se recordam?) onde ir ao cinema era vestir de gala, se fazia fila e a casa esgotava! Nesta época conheceu pessoalmente lendas e estrelas do cinema como Audrey Hepburn, Roger Moore, entre outros.

Desde os clássicos aos contemporâneos, retive um número, cerca de 85 mil pessoas assistiram nesta sala ao filme E.T em 1983!

Ao intervalo do filme que assistimos (pausa, essa relíquia), aqui chamada de entr'acte, conseguiu espantar todos os presentes com a sua capacidade de resposta a uma multidão faminta no bar.

Infelizmente, Le Capitole não é mais um negócio lucrativo. Os grandes distribuidores preferem centros comerciais e espaços com maior visibilidade para lançar os seus filmes.

Mas, apesar do inevitável fecho de cinemas míticos como o Le Capitole, a pequena senhora continua a sorrir e a fazer sorrir enquanto percorre os corredores da sua pequena pérola!

À Madame Schnegg, o nosso agradecimento pela forma brilhante como conquista o tempo, pela sua paixão que dignifica a Arte e como exemplo de vida!

The show must go on!

video

O meu bilhete intemporal...

E sim, o cinema é caro (15 francos = 10 euros) mas neste caso valeu a pena :)

1 comentário:

W123 disse...

Palavras para quê? Um cinema daqueles que já quase não se encontram em nossos dias, uma verdadeira Dama que nos presenteia desde a entrada até ao fim do espetáculo e ainda por cima com direito a intervalo (que saudades)!
Parabéns a essa verdadeira "mulher de armas" que luta em prol de uma causa, mesmo sabendo que mais dia menos dia perde a batalha do "moderno".

Obrigado pela partilha!

Abraço

W123