segunda-feira, 30 de março de 2009

Não consigo viver sem...

Ainda não sei como há gente que consegue viver sem...

... Molho de francesinha!!!

A sério que não...

E aqui custa 1 euro a mais que o Continente! Ai o roooooubo! : )

Mas esta Dom Duarte deve ser fabricada pelos Mouros porque é mais água que outra coisa. Eu gosto da que gruda na colher : )

Viva o Sr. Daniel Silva, emigrante português na França e criador da nossa Francesinha!

P.S: Tchi o molho é fabricado em Moreira da Maia. Bááááhhhh...

Fim de semana

Acordar de manhã cedo e dar uma longa caminhada em Ouchy, no Lago Léman.

Aproveitamos para visitar uma exposição de antiguidades. Nesta conhecemos uma simpática senhora americana que, encantada com o nosso interesse e apesar da sua dificuldade em caminhar, fez questão em mostrar-nos as suas belas peças de joalharia . Falamos do fabrico e do design e do glamour de outros tempos. Orgulhosamente descrevia as actrizes que nos anos 50 e 60 usaram as suas peças. Peças que fez questão que tocassemos apesar do seu imenso valor, nem sequer tinham etiquetas com preço :)

Almoçamos pela primeira vez a tradicional Raclette, cozinhada numa Racleteira! Muita graça acho a este nome :D

O queijo típico da raclete provém do cantão de Valais. Devido a acordos bilaterais com a UE, o mercado está inundado com raclete estrangeiro o que tem prejudicado os nossos humildes paysans (agricultores suíços).
Bem que estranhei o baixo preço do queijo da raclete mas quando chegamos vi em letras muito miudinhas a proveniência francesa. Fui enganado!!! Na próxima já sabemos! : )
De preparação simples, o queijo é aquecido e raspado sobre os pratos dos comensais. Depois é colocado em cima das batatas previamente cozidas. Vários acompanhamentos podem ser utilizados: bacon, pickles, entre outros.

À tarde assistimos em casa ao fantástico filme "Un franco, 14 pesetas", baseado na emigração espanhola nos anos 60, com uma grande interpretação do realizador Carlos Iglésias. Neste descreve a sua própria experiência como filho de emigrantes.

Recomendado! Não fica nada atrás do Cinema Paradiso ; )

video

terça-feira, 24 de março de 2009

Transparência

No mês de Janeiro o nosso carro foi flashado num semáforo perto de nossa casa por excesso de velocidade. Fica aqui um pequeno exemplo da competência e transparência da Suíça.

Em Lausanne, há câmaras dentro da cidade com um rigoroso controlo de velocidade. A polícia tem a sua sede no Hotel du Police, um edifício blindado que ocupa um quarteirão.

É raro ver agentes a patrulhar as ruas a pé. Nesse edíficio vigiam a cidade nos monitores e comunicam entre si qualquer ocorrência.

Entretanto, no mesmo dia fomos à Polícia identificarmo-nos e conhecer o motivo do forte clarão vermelho, que parecia vindo de uma nave alienígena : )

Após a identificação, a agente pega num ecrã de grandes dimensões onde mostra as fotografias da infracção. Depois temos 30 dias para pagar a multa de 40 francos (cerca de 26.20 euros)

Ontem recebemos uma carta da Direcção de Segurança Pública a anular a infracção com um pedidos de desculpas do Capitão da Polícia e do fabricante do radar, "conscientes de que tais transtornos podem ser particularmente delicados" : )

O erro foi resultante de um defeito num componente electrónico. Bem que a Miss Sonhos Milka jurou que estava inocente! Eu acreditei mas aproveitei para a arreliar um pouco : D

Um total de 3000 multas serão reembolsadas... É nestes pequenos exemplos que se vê a simplicidade e competência do país onde vivemos e pagamos impostos.

quinta-feira, 19 de março de 2009

A crise...

Palavra na moda, havia de ter 1 euro por cada vez que é referida nos telejornais portugueses ou na CNN...

Sim, porque a frase "dinheiro não é felicidade" foi seguramente dita por um milionário idiota!

Nesta crise económica há já chicotadas psicológicas. Os colaboradores do maior banco suíço UBS foram despedidos e parcialmente absorvidos pelos bancos concorrentes.

As empresas estavam em standby, com projectos mas a aguardar o que ainda pode vir por aí. No entanto, nas últimas 3-4 semanas a Suíça tem começado a sentir a crise noutros sectores. Agora os trabalhadores temporários estão a ser despedidos. Fixos com permis C e mais de 5 anos de casa também não estão a salvo. 4 aqui, 10 ali, o que mostra já alguma preocupação.

O nível de desemprego vai aumentar bastante num dos países da Europa com menor taxa. Prevê-se que seja de 5.2% em 2010. O subsidio de desemprego aumentou de 12 para 18 meses. É necessário ter 1 ano de descontos e o seu valor é de 80%.

Em Dezembro pensei que em Maio iria melhorar mas o certo é que enquanto os EUA não recuperarem por aqui também pagam-se as consequências.

A semana passada estive em Portugal para visitar a família já que no Verão não iremos lá de férias. Aqui fica um típico diálogo com conhecidos na rua:

Conhecido diz: "Portugal é só crise! Então estás na Suíça?

- Sim estamos...

Conhecido diz: Ah mas isto da crise é global, a Suíça está ainda igual ou pior que nós...

- A Suíça está igualmente a sentir as consequências mas não exageremos.

Conhecido diz: Oh pá, mas então se a Suíça está em crise mais valia terem cá ficado... aqui está-se perto dos familiares e sempre temos Sol..."

Terei que me mascarar para ninguém me reconhecer pois estas conversas inúteis são sempre uma perda de tempo : )

E o meu Porto que vai a Manchester ; ) Até os comemos!!!!

quarta-feira, 4 de março de 2009

Mendicidade

A Suíça, reconhecido como um país humanitário, torna-se a olhos vistos num país de caridade!

O recente referendo de 8 de Fevereiro passado onde o sim ganhou por maioria, permitiu a livre circulação de cidadãos da Roménia e Bulgária.
Face às constantes pressões da União Europeia, aos lobbies de Associações de Direitos Humanos e uma população jovem que pretende uma integração na UE, a Suíça está a tornar-se num festim de abusadores.

Conhecida pelas suas regras autoritárias, organização e disciplina tem-se assistido a um aumento incrível da mendicidade nas ruas o que até há pouco tempo era impensável!
Há poucos anos era usual ver a polícia a verificar os documentos nas paragens de autocarro, mesmo que fossem cidadãos da União Europeia, caso estivessem há mais de 3 meses no país e sem contrato de trabalho eram de imediato escoltados até à fronteira. Quem estava em situação clandestina chegava mesmo em cima da hora na esperança de entrar rápido no autocarro.

O cantão de Vaud é dos únicos que não proibe por lei a mendicidade, pelo que a polícia actualmente aplica uma coima de 10 francos. Uma soma ridícula tendo em conta que é vulgar receberem moedas de 5 francos de cada vez. E mesmo Genève nada está a fazer para evitar.

Os suíços justificam a sua vinda com o pesadelo de um dia poder faltar a mão de obra (por acaso!), os países da União Europeia romperem os acordos bilaterais com consequências trágicas para a economia helvética.
Munidos de acordão e concertina soltam sons com um sorriso amarelo e uma expressão idiota de "Bonjour Monsieur".

Numa recente viagem à Suíça, um amigo e eu aproveitamos para visitar várias agências de trabalho. Em Genève, de CV na mão e um frio de rachar fecharam-nos muitas portas na cara.
Na mesma rua, sanguessugas e parasitas que não querem trabalhar a facturar com cada sorriso. A este ritmo carregam o Castelo do Conde Drácula para cá e começam a cobrar entradas!

No jornal 24 Heures a 17 de Janeiro, ainda antes do referendo, vinham já imagens a alertar para as condições precárias em que não se importam e gostam de viver!

O artigo referia a fiscalização da Polícia a um mato em Genève onde encontraram 26 romenos em situação ilegal e onde ainda exigiram (!) que lhe fosse entregue uma autorização de permanência sem prazo na Suíça! Havia de ser comigo...

Estamos por cá há cerca de 1 ano a trabalhar e ainda só temos uma autorização temporária que em breve terá que ser renovada.

Fica a imagem do acampamento.
Tenho outras imagens mas pelo seu conteúdo gráfico até me recuso a colocá-las no meu Blog.

Esta é a mais valia que todos os partidos a favor do sim prometeram?...

segunda-feira, 2 de março de 2009

Gringo

No mercado de trabalho todos temos histórias bizarras.

Hoje recebi a resposta de uma candidatura, um lugar uma empresa que desenvolve software para o Iphone. Neste referia que não tinha sido seleccionado pois o meu nível de inglês é, segundo escrevem, insuficiente para o mercado de trabalho anglo-saxónico.

De imediato telefonei ao responsável que me explicou que não tinha sido seleccionado devido a um erro ortográfico no meu CV: "Human Resource Management"

Quando o correcto, segundo ele, é "Human Resources Managament" : )

A seguir diz-me que o meu CV é muito bom e que o meu inglês efectivamente é tão bom ou melhor que o dele mas que (agora) queriam alguém de língua materna inglesa, o que não era sequer referido no anúncio.

Bastava dizer que tem outra pessoa em mente. Por ter espanhol e português no meu CV como línguas maternas devia pensar que falo inglês com a pronúncia "ándale ándale, arriba arriba!"

video

Vídeo censurado! : D

Quem quiser saber o que aconteceu ao Manuel Lucky Fellow

http://www.youtube.com/watch?v=t43_ilAdwC8

Quem fica a ganhar com isto? Eu e o meu Blackberry : )